terça-feira, 19/05/20

Servidores demonstram perplexidade e indignação com saída de Teich

1

Além da luta contra a Covid-19, os(as) trabalhadores(as) da Saúde precisam conviver com as políticas genocidas do governo Bolsonaro (charge: Latuff)

O pedido de demissão do segundo ministro da Saúde na gestão de Jair Bolsonaro repercutiu de forma negativa entre servidores e centrais sindicais. A maioria demonstrou perplexidade e indignação. Para Rudinei Marques, presidente do Fórum Nacional das Carreiras de Estado (Fonacate), a saída de Nelson Teich, “é um reflexo dos improvisos na gestão da crise”. “Se deixassem a cargo exclusivo dos técnicos, teríamos mais chances de enfrentar com êxito a crise sanitária, econômica e social. Porém, a ingerência política gera confusão, insegurança, e só concorre para agravar a situação”.

Moacir Lopes, presidente de Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps), considerou a desistência de Teich como ‘uma tragédia anunciada‘. “ A demissão ministro Nelson Teich confirma o desespero do governo Bolsonaro na guerra pelo controle da narrativa caos que a pandemia está gerando. Sem nenhum apoio e ainda sofrendo sabotagem e ataques era uma tragédia anunciada”.

Lopes também enfatizou a tendência do governo de apontar culpados para tentar demonstrar à população conhecimento em áreas da ciência. “A exemplo do vice Mourão, em entrevista, os mandatários culpam todo mundo pela crise no país, menos a incapacidade deste governo em apresentar qualquer projeto sério de gestão. Como não tem resposta à crise no combater a pandemia, estão sempre a busca de culpados. Em breve chegará a vez dos militares”, alertou Lopes.

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, declarou que “Teich mostrou dignidade ao não compactuar com os delírios destruidores do presidente”. “Ao sair, ele evidenciou toda a desgraça e expôs como os brasileiros estão desassistidos nesta grave pandemia. Quanto falta para os poderes competentes perceberem que o nosso maior problema é o Bolsonaro?”, questionou.

Sandro Alex de Oliveira César, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-RJ), destacou que “no Brasil não tem alguém que seja capaz de conduzir a saúde de acordo com a ciência e segundo as recomendações das organizações internacionais da saúde em especial a OMS, enquanto Bolsonaro for presidente da República, pois quer impor as suas vontades pessoais sobre a República e a ciência. Inacreditável. O ex-ministro não durou um mês no governo”.

Fonte: blog do Servidor/Correio Braziliense.

Últimas notícias

ver mais
1 segunda-feira, 25/05/20 Fenasps participa da 2ª reunião do GT que discute a reabertura das unidades do INSS A Federação reforça a necessidade da categoria manter a mobilização nos locais de trabalho ...
1 segunda-feira, 25/05/20 Após consistente pressão, governo decide manter agências do INSS fechadas até 19 de junho Foi publicada no Diário Ofícial da União desta sexta-feira, 22 de maio, a Portaria Conjunta ...
1 sexta-feira, 22/05/20 Fenasps e entidades do Fonasefe apoiam impeachment popular de Bolsonaro! Nesta quinta-feira, 21 de maio, foi lançado um vídeo, por meio do Fórum das ...


Top